África do Sul,  Cidade do Cabo,  Turismo

Tudo que você precisa saber antes de viajar para a Cidade do Cabo

Em outubro de 2018 eu e meu namorado fomos para a Cidade do Cabo, na África do Sul. Sempre quis conhecer a cidade, mas só começamos a planejar quando achamos uma passagem na promoção, numa data que dava pra ir. E é assim que a gente faz para viajar mais vezes: deixando o desconto ou bug comandar pra onde vamos! Nossa lema é: economizando sobra pra viajar mais! Vou tentar resumir as principais informações sobre nosso destino aqui. Então vem comigo, que eu vou te passar tudo que você precisa saber antes de viajar para a Cidade do Cabo!

 

1- Hospedagem (e alimentação)

O apartamento em que ficamos

Airbnb é uma ótima opção pra escolher hospedagem em Cape Town. Alugamos um apê super bacana e por um preço bem legal. Acredito, também, que ficar em um lugar com cozinha está diretamente relacionado com gastos durante a viagem.

Não sou fitness, como em qualquer lugar e não amo cozinhar. Mas preparar algumas refeições em casa ajuda a economizar bastante. Apesar disso, o preço da alimentação na Cidade do Cabo não é exorbitante. É claro que se você pretende ir a um restaurante chique, vai sair mais caro. Vale lembrar também, que comer em casa é sempre mais barato que comer fora.

Em alguns dias nós nos viramos com macarrão e congelados, todos comprados no supermercado Pick n Pay. É uma rede super fácil de achar por lá.  Você encontra um em cada esquina. Além disso, tem preço bom e é tranquilo de identificar se o produto é de boa qualidade ou não.

 

*não tem conta no Airbnb ainda? Clica aqui pra ganhar um super desconto em sua primeira estadia 🙂

 

2- Transporte

Durante o planejamento da nossa viagem,  conseguimos um descontão pelo rentalcars e alugamos um carro simples pela AVIS. Já saímos do aeroporto com o carro (pagando mico na mão inglesa). Alugar carro tem pontos positivos e negativos.

O preço pra mim é a principal desvantagem. Nosso desconto foi de 50%, para alugar por 7 dias direto, e por causa disso valeu à pena. Por isso é importante vasculhar a internet à procura de descontos e alternativas.

Das vantagens de ter um carro alugado, estão o espaço para as malas, conforto e tranquilidade na hora de sair. Em Cape Town foi tranquilo estacionar na rua durante os passeios. Além disso, tínhamos garagem no Airbnb. Gasolina lá não tem preço abusivo.

Alguns pontos turísticos são distantes e as estradas são boas, além de terem paisagens incríveis! No seu carro, você coloca a música que você quiser, e dá pra curtir muito o passeio!

(Uber funciona bem por lá. No entanto, assim como no Brasil, podemos ser surpreendidos pelo preço de algumas rotas. )

 

3- Turismo

Vou pontuar aqui os programas que fiz e mais gostei. É claro que cada experiência é de uma maneira e nem tudo que eu achei legal vai ser necessariamente bacana para você.

 

3.1- Safári
Uma das experiências mais legais da África do Sul!

Fizemos nosso Safári no Aquila. Conseguimos um preço bacana numa promoção de virada de estação. Eu nunca imaginei que poderia me hospedar num lugar tão chique desses! Por isso é importante ficar de olho nas oportunidades.

O safári foi lindo! Fomos logo no segundo dia de viagem. Estávamos com o carro alugado, então dispensamos o ônibus do safári, que cobra um absurdo. Tínhamos direito a almoço, jantar e café da manhã do dia seguinte. Podíamos usar as piscinas também, além de fazer dois passeios na savana africana com guia.

 

3.2- Passeios na natureza
Pôr do Sol em Clifton

As praias e montanhas de Cape Town são de tirar o fôlego. É lindo demais o que se vê. Infelizmente a água do mar é muito gelada. Tem quem nade, mas eu não consegui ficar por muito tempo.

As praias que visitei e recomendo são:

  • Clifton: o pôr do sol mais lindo que já assisti.
  • Camps bay: a praia badalada, bem estilo das praias de Miami.
  • Boulders beach, com seus habitantes lindos!!

As montanhas de CPT são magnificas. Viajar para a Cidade do Cabo e não subir montanha é um pecado! Não cobram para fazer as trilhas das montanhas, basta estar bem animado, rs! Todas as trilhas são bem sinalizadas e ficam mais movimentadas no final da tarde, quando várias pessoas sobem pra ver o pôr do sol.

Para subir a Table Mountain de bondinho, é cobrado aproximadamente R$30,00; nesse caso compensa, pois a trilha dura cerca de 3h.

 

3.3-Café

Vamos dar um up na ideia central desse blog, né?

Café, a bebida dos deuses, é apreciadíssima em Cape Town. Visitamos a cafeteria Truth Coffee, que foi eleita em 2016 pelo jornal The Telegraph, como a melhor do mundo. Amei conhecer o lugar, que é muito aconchegante, e provar do café, que é MUITO gostoso. Além disso, não é muito cara. Tem o mesmo preço de cafeterias chiques do Brasil.

EXTRA: Fizemos isso após irmos no Kirstenbosch Garden; esse foi um dos lugares que me encantou de graça! Recomendo muito, extremamente lindo, imenso e bem cuidado. Assim como Truth Coffee, que ganhou como melhor cafeteria, Kirstenbosch também foi eleito como um dos melhores jardins botânicos do mundo. E o local faz jus à sua reputação!

 

3.4- Do café ao vinho…

Constantia é uma região de vinícolas dentro da Cidade do Cabo. Como se fosse um bairro, um dos mais nobres de toda a África do Sul. A entrada nas vinícolas é gratuita, portanto, é um passeio muito legal e lindo, mesmo pra quem não curte vinho. Todas as vinícolas oferecem restaurantes e algumas possuem, também, um café.

Nós fomos atrás do wine tasting, assim poderíamos provar dos vinhos mais famosos sem pagar tão caro por eles. Pagamos em média 15 reais por cada tasting. São 4 taças inclusas: rosê, tinto, branco e espumante.

 

 

4 – Perdi tempo indo

Esse tópico é pessoal, às vezes você esteve em um desses lugares e amou sua experiência. Não é que eu tenha odiado, mas senti que perdi tempo. Na hora do planejamento a gente acaba lendo tudo quanto é tipo de blog e alguns são meio furada. Acho que o turista esteve no lugar, não gostou, mas quer que todos achem que teve uma experiência incrível all the time durante a viagem. Mas não é bem assim não viu, gente?

 

4.1- Muizenberg

É a famosa praia com as casinhas coloridas, que várias pessoas postam no instagram. Eu só não entendi por qual motivo ela é tão famosa assim na websfera. No dia em que fomos o sol tava lindo, mas não tinha ninguém na praia. Chegando mais próximo do mar, vi que ele é bem sujo e eu não entraria por nada. Não vi comércio próximo à praia e as casinhas…bom, são apenas casinhas.

 

4.2- Old Biscuit Mill

É uma feirinha local do bairro Woodstock. Seguindo as dicas de outros blogs, que diziam ‘’ lá você vai encontrar muita coisa da culinária local, hortaliças, floriculturas e também artesanatos feito pelos moradores’’, decidi ir até o lugar. Não era pertinho de onde estávamos hospedados, mas fomos mesmo assim. Como só abre aos sábados, reservamos a manhã do nosso único início de final de semana para irmos.

Péssima ideia Tudo extremamente caro e nada de tão diferente assim. Nada muito local, artesanatos que podem ser encontrados nas feiras de shopping, sabe? Aqueles bem cult e caros!

Comidas e bebidas com uma cara muito boa, mas nada de diferente: pizza, pratos com frutos do mar, doces, sucos, chopes… Tudo muito, muito caro! Lembrando que opinião sobre preço é bem pessoal, então talvez não seja tão caro assim para você.

 

5 – Sobre o mergulho com tubarão branco

Infelizmente não fizemos o mergulho. Visitei o Sea World, em Orlando, e me arrependo. Decidi que não iria visitar aquários mais. De todos os animais nesse mundo que vivem em cativeiro os aquáticos são os que mais sinto pena, já mergulhei algumas vezes e, quando você descobri aquele mundo lá de baixo, percebi que uma criatura natural daquele lugar não pode ser feliz nadando com limites.

No entanto, estar dentro de uma gaiola e entrar no habitat natural de um tubarão seria diferente. Não digo que não há certa interferência humana, mas ali quem manda é o tubarão. É você (protegido por uma gaiola) na casa dele.

Não fizemos o mergulho por condições climáticas. As empresas não vão para o oceano se for arriscado. Eu acho que seria uma passeio legal, mas não fiquei triste por não ter conseguido. Isso acabou fazendo com que nossa viagem ficasse mais barata: o mergulho sairia, no mínimo, 600 reais por pessoa.

 

 

Eu gosto muito de conversar viu, gente? Tentei fazer um resumão dos tópicos principais, mas com certeza tenho mais pra contar! Se você tem alguma dúvida sobre a viagem ou planejamento da mesma, pode me mandar um e-mail ou comentar aqui embaixo, que a gente convesa! 🙂


* O conteúdo deste post foi criado pelo(a) autor(a), portanto, representa sua opinião pessoal.

 

Compartilhe com outros viajantes:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *