• Destinos,  Histórias de viagem,  Turquia

    Dos brindes que as viagens trazem

    Eu não sei quando nem por que um dia eu encasquetei que queria ir pra Tailândia nalgum momento. Aí, há quase um ano, apareceu uma postagem na internet com um preço que eu poderia pagar e ainda incluiria Turquia no trajeto. Ok. De quebra conheço Turquia – não tenho nada de “meu Deus como preciso ir à Turquia”, mas por esse preço de passagem talvez valha a pena. Vou focar na surpresa que foi conhecer o mar Mediterrâneo. Desci em Istambul e tive problema com a internet. Achei o chip temporário muito caro, e fiquei sem internet lá. Não morri. No metrô conheci uma moça que me ajudou a encontrar a região do meu hostel. Uma das poucas pessoas que falavam inglês. Isso é um detalhe importante: inglês tem pouco uso por lá (igual no Brasil). As pessoas que melhor falavam inglês eram vendedores de droga (que viam estampado na minha cara que eu era turista) e engraxates. Ser fluente não ajuda. Lá é preciso fragmentar frases em palavras-chave soltas e muita mímica. Todos são muito pacientes e receptivos. Incomoda sim ver a subjugação feminina. Machismo lá (como em toda parte do planeta) é forte. Confesso que achei incomum o relacionamento masculino nas ruas. Parece que todos os turcos vivem o que chamamos de Bromance aqui no ocidente. Tem muita proximidade, muito toque, muito abraço. Bem parecido com as amizades femininas no Brasil. Lá as mulheres, com ou sem véu ou burca, são mais distantes umas das outras. Voltando ao técnico. Meu hostel era muito barato e com uma localização ambígua. Era num centrão perto de tudo. Absolutamente tudo! Perto do comércio principal, da região boêmia, transporte público, comidas. Tudo que eu precisava! Lembrou-me uma mistura de Savassi (de BH) com Augusta (SP). Se você for alguém que tem asma ou intolerante a fumaça, JAMAIS VÁ À TURQUIA!!! Aparentemente todo o país tem um cheiro forte de cigarro. Parece que está sempre nublado, mas é fumaça de cigarro. Todos fumam o tempo todo e em qualquer lugar. Dentro de restaurantes, dos quartos de hotel, saguão de teatro, lojas, museu. Tudo tem cheiro forte de cigarro. É cultural. Não podem fumar em mesquita, nem no metrô, nem no aeroporto (mas se você for ao aeroporto e passar perto da área de fumantes, tem fila de espera). Tudo lá é muito bonito e deveras gostoso de comer, de ver, de andar, de…

  • Dicas,  São Paulo,  Turismo

    13 lugares para ver São Paulo do alto

    Eu particularmente sou apaixonada por vistas. E para mim não tem nada melhor do que ir em lugares que posso admirar o skyline de uma cidade, e melhor ainda quando gasto pouco. São Paulo tem várias opções de lugares para poder ver suas diferentes vistas e assistir o pôr do sol e está na lista dos 10 melhores skylines do mundo, sendo o único da América Latina. Então vem comigo, viajante, que vou te dar umas dicas de como apreciar Sampa do alto.   1- SESC Av. Paulista Para quem quer ter uma vista da Av. Paulista, não tem lugar melhor do que o SESC. Ele foi reinaugurado em 2018 e desde então está sempre lotado. O mirante, que fica no 17° andar, possibilita enxergar a Av. Paulista, alguns bairros próximos e, inclusive, um grafite do Kobra. O melhor horário pra ir é um pouco antes do pôr-do-sol, pois você consegue tirar fotos lindas com essa luz. Aproveite para tomar um café no mesmo andar admirando a vista. Prepare-se para esperar um pouco na fila, principalmente nos finais de semana. Quanto custa? Zero reais. Onde fica? Avenida Paulista, 119 – Bela Vista. Como chegar? Metrô Linha 2 – Verde. Descer na Estação Brigadeiro. Horário de funcionamento: Terça a sábado, das 10h às 22h. Domingos e feriados, das 10h às 19h.   2-Shopping Light  O Shopping que está localizado na região central de SP, foi sede da estatal Eletropaulo e hoje abriga diversas lojas e uma balada (Air Rooftop) no seu último andar. É possível ver o Theatro Municipal, a sede da Prefeitura e o Vale do Anhangabaú lá de cima. Para quem não curte uma balada e não quer gastar nada, o shopping, juntamente com o Novotel Jaraguá e a Habitat Natural Turismo e Eventos, organiza um walking tour pelo centro da cidade e encerra com uma visita interna ao edifício. O tour ocorre no último domingo do mês e é gratuito. Quanto custa? Zero reais. Onde fica?  Rua Coronel Xavier de Toledo, 23 – Centro. Como chegar? Metrô Linha 3 – Vermelha. Descer na Estação Anhangabaú. Dá para ir de ônibus chegando pelo Terminal Bandeira. Verifique as linhas que passam perto de você. Ponto de encontro: Recepção do Novotel Jaraguá – Rua Martins Fontes, 71 – Centro.   3- Vão Livre do MASP Debaixo do MASP, fica o Vão Livre que abriga eventos culturais e a Feirinha de Antiguidades que ocorre aos finais de semana. Andando…

  • África do Sul,  Cidade do Cabo,  Turismo

    Tudo que você precisa saber antes de viajar para a Cidade do Cabo

    Em outubro de 2018 eu e meu namorado fomos para a Cidade do Cabo, na África do Sul. Sempre quis conhecer a cidade, mas só começamos a planejar quando achamos uma passagem na promoção, numa data que dava pra ir. E é assim que a gente faz para viajar mais vezes: deixando o desconto ou bug comandar pra onde vamos! Nossa lema é: economizando sobra pra viajar mais! Vou tentar resumir as principais informações sobre nosso destino aqui. Então vem comigo, que eu vou te passar tudo que você precisa saber antes de viajar para a Cidade do Cabo!   1- Hospedagem (e alimentação) Airbnb é uma ótima opção pra escolher hospedagem em Cape Town. Alugamos um apê super bacana e por um preço bem legal. Acredito, também, que ficar em um lugar com cozinha está diretamente relacionado com gastos durante a viagem. Não sou fitness, como em qualquer lugar e não amo cozinhar. Mas preparar algumas refeições em casa ajuda a economizar bastante. Apesar disso, o preço da alimentação na Cidade do Cabo não é exorbitante. É claro que se você pretende ir a um restaurante chique, vai sair mais caro. Vale lembrar também, que comer em casa é sempre mais barato que comer fora. Em alguns dias nós nos viramos com macarrão e congelados, todos comprados no supermercado Pick n Pay. É uma rede super fácil de achar por lá.  Você encontra um em cada esquina. Além disso, tem preço bom e é tranquilo de identificar se o produto é de boa qualidade ou não.   *não tem conta no Airbnb ainda? Clica aqui pra ganhar um super desconto em sua primeira estadia 🙂   2- Transporte Durante o planejamento da nossa viagem,  conseguimos um descontão pelo rentalcars e alugamos um carro simples pela AVIS. Já saímos do aeroporto com o carro (pagando mico na mão inglesa). Alugar carro tem pontos positivos e negativos. O preço pra mim é a principal desvantagem. Nosso desconto foi de 50%, para alugar por 7 dias direto, e por causa disso valeu à pena. Por isso é importante vasculhar a internet à procura de descontos e alternativas. Das vantagens de ter um carro alugado, estão o espaço para as malas, conforto e tranquilidade na hora de sair. Em Cape Town foi tranquilo estacionar na rua durante os passeios. Além disso, tínhamos garagem no Airbnb. Gasolina lá não tem preço abusivo. Alguns pontos…

  • Histórias de viagem,  Perrengues,  Uruguai

    A primeira vergonha em outro idioma a gente nunca esquece

    Olá, viajante! Vez ou outra nos deparamos com imprevistos ou dificuldades em nossas viagens. Alguns mais sérios, outros engraçados, no final tudo vira história para contar. Como você lida com esses contratempos?   Dificuldade em aprender outro idioma e a importância de arriscar na hora de falar Eu nunca fui boa em espanhol. Costumava ser minha pior nota do colégio (depois de física, claro). De modo geral, eu sempre batalhei para aprender outro idioma. Fiz anos de cursinho de inglês e dois intercâmbios para os Estados Unidos, mas dou adeus à fluência sempre que fico um pouco de tempo sem praticar. Apesar disso, eu tenho pouca vergonha na hora de me comunicar com estrangeiros. Viajando pela América do Sul e por outros países cuja língua eu não domino, percebi que, com jeitinho e paciência, todo mundo é capaz de entender e se fazer entender. E, como já diz sábio o ditado popular, quem não arrisca, não petisca. No entanto, a cara de pau pode te fazer pagar alguns micos também rs.   Falta de planejamento e contratempos cotidianos Lá estava eu, em pleno verão uruguaio, explorando Montevidéu com mais 4 amigos. Foi uma viagem muito esperada e, para mim, era a realização de mais um sonho. Como tínhamos a intenção de passar pela capital tanto no início quanto no final do mochilão, optamos por ficar em bairros diferentes nas duas mini temporadas. Após pesquisarmos bastante, escolhemos o bairro Pocitos para nossa primeira estadia. Como tínhamos chegado um dia antes naquele país maravilhoso, não podíamos estar mais empolgados. Decidimos, então, ir caminhando do nosso local de estadia até o Centro Histórico. Afinal, o que eram 5km para quem já estava até planejando uma travessia entre duas cidades, não é mesmo? Após explorarmos o Centro de Montevidéu e tomarmos nosso primeiro café juntos, decidimos que era hora de voltar para o hostel. Porém, não tínhamos internet, nem fazíamos ideia de qual condução pegar para Pocitos. Decidimos, então, colocar nosso portunhol pra jogo e pedir informação para a atendente de um centro de exposições perto de onde estávamos.   A primeira vergonha em outro idioma a gente nunca esquece Eu, super animada para me comunicar com uruguaios, fui perguntar para a moça como fazíamos para chegar ao nosso destino. Acontece, que como eu disse no início do post, eu era péssima em espanhol no colégio. Lembrava de poucas coisas, mas de uma eu tinha certeza: como se pronuncia…

  • Dubai,  Turismo

    Dubai: 10 dicas para sua primeira viagem

    Dubai é uma das cidades que compõem os Emirados Árabes Unidos, nome oficial do país localizado no meio do deserto. Conhecida por seu luxo e ostentação sem limites, e por receber e abrigar tantos turistas, é um dos locais mais liberais do oriente médio. O idioma oficial é o árabe, mas, por reunir quase 200 nacionalidades, todos se comunicam em inglês. Com tantos sotaques diferentes dá pra imaginar a confusão, né.   1. Dinheiro A moeda oficial é o dirham (AED). Nas casas de câmbio o preço do dólar é tabelado em  $1 a 3,67 AED. Já o valor em real é basicamente o mesmo, variando pouca coisa de acordo com a cotação do dia. Embora a nossa moeda não seja desvalorizada por aqui, em regra, tudo é mais caro. Apenas algumas exceções ficam na mesma faixa dos preços brasileiros.   2. Turista mulher As turistas, assim como os homens, irão receber um bom tratamento. Os transportes públicos, em geral,  têm uma área para mulheres e crianças. Nos bares, boates e cafés sempre promovem o ladies night. Neles, o próprio estabelecimento oferece desconto ou bebidas grátis, então é sempre bom conferir em quais lugares o evento está rolando.   3. Roupas Sempre me perguntam se pode usar short, biquíni ou se tem que usar burca para cobrir o cabelo. Por aqui a burca não é obrigatória e é permitido vestir a roupa que quiser. Biquíni brasileiro também pode ser usado numa boa. Porém, se houver exagero (no decote, por exemplo), as pessoas mais conservadoras vão, no máximo, te olhar estranho. Em alguns lugares mais tradicionais e restaurantes mais chiques há dress code mais rígido a ser seguido (igual no Brasil). *  Essas regras não são válidas para o Ramadão, mas isso é assunto para outro post.   4. Quando ir Não recomendo vir durante o Ramadã, que é um mês sabático para os islãs. Geralmente ocorre de maio a junho do nosso calendário. O verão aqui, que ocorre de junho a setembro, também não é uma boa ideia. Apesar dos preços tentadores de passagens aéreas nessas épocas, o passeio ficará prejudicado por conta do calor excessivo e dos diversos estabelecimentos fechados. Ou seja, compensa mais conhecer Dubai entre os meses de outubro a abril, apesar do voo mais caro.   5. Aplicativos úteis Para descontos : groupon, cobone, entreteiner (minha dica é pegar o contato do anunciante e negociar o pagamento em dinheiro,…

  • São Paulo,  Turismo

    Como turistar em São Paulo gastando quase nada

    Sampa, Terra da Garoa, Selva de Pedra, Nova York do Brasil, São Paulo. A primeira vez que visitei essa cidade foi em julho de 2016 para fazer um curso na USP. Desde a vista da janela do avião até a primeira vez que andei pela Avenida Paulista, fiquei encantada com tudo. Foi naquela viagem que nasceu a minha vontade de mudar para cá. E em todas as minhas outras vindas só pude ter mais certeza que queria morar aqui. Não só porque SP me oferece mais oportunidades na vida acadêmica, mas também pela sua variedade de parques, museus, shows, bares, restaurantes e passeios. Apesar de viver aqui há 1 ano, muitas vezes me pego fazendo programas de turista. O que não falta por aqui são pontos turísticos. E se é de graça ou baratex é melhor ainda, não é mesmo?! Turistar pode ser uma forma rápida, econômica e fácil de se conhecer uma cidade.   Mas então, o que fazer em São Paulo?   Avenida Paulista: É a avenida mais famosa da cidade e conhecida como um dos principais centros financeiros de SP.  Cercada por prédios gigantes, abriga o MASP, Centro Cultural FIESP, Instituto Moreira Salles, Itaú Cultural, Japan House, Casa das Rosas, Sesc, shoppings, restaurantes, livrarias e bares. Domingo é o melhor dia para conhecer a área, pois a rua é fechada para o trânsito de carros. Dando uma passada por lá você poderá ver shows de bandas, comprar alguma lembrancinha na feirinha de antiguidades do MASP, passear de bike pela ciclovia e tirar muitas fotos legais. Quanto custa? Zero reais. Como chegar? Metrô Linha 2 – Verde. Descer nas estações Consolação, Trianon-MASP ou Brigadeiro.   Parque do Ibirapuera: O Ibira, como é carinhosamente chamado pelos paulistanos, é o Central Park  de SP. O parque fica localizado na Vila Mariana e tem mais de 150 hectares de área verde, lagos e museus. Aberto diariamente é um lugar bem legal para fazer um piquenique, sentar em frente ao lago para ver o pôr do sol, andar de bike, jogar bola e caminhar. Também é possível fazer uma visitinha ao Museu Afro Brasil, Museu de Arte Moderna (MAM), Oca, Bienal, Planetário e o Auditório do Ibirapuera, além do Obelisco e do Monumento às Bandeiras. Quanto custa? Zero reais. O MAM e o Museu Afro Brasil são gratuitos aos sábados. Valor do ingresso para a Oca depende da exposição. O planetário é…