• Financeiro,  Planejamento,  Primeira Viagem

    Quanto vou gastar para viajar?

      Olá, viajante! A primeira coisa que queremos saber quando estamos planejando uma viagem é o valor que vamos pagar por ela. Com a internet ficou muito mais fácil ter acesso aos preços de qualquer coisa até do outro lado do planeta, mas, mesmo com esse mundo de informações, corremos o risco de esquecer pequenos prováveis gastos que no final da viagem somam um dinheirão. Para não ter que se desesperar na hora de pagar o cartão, ou pior, passar um perrengue danado do outro lado do mundo, é preciso fazer um planejamento financeiro antes de botar o pé na estrada.   Comece a aprender aqui quais são os gastos de uma viagem para não passar nenhum aperto no seu próximo destino!     PLANEJAMENTO FINANCEIRO – PRÓXIMA VIAGEM 1- Gastos pré viagem Documentação: seu destino precisa de passaporte? Exige visto? Demanda comprovante de vacinação contra febre amarela (CIVP)? Seguro viagem: eu, particularmente, aconselho a sempre viajar com um, mas, na maioria dos destinos, o seguro não costuma ser obrigatório; Passagens de ida e volta; Compras para a viagem: impressões de reserva de hotel, medicamentos, roupa especial (caso seu destino exija), etc. 2- Gastos básicos durante a viagem Hospedagem; Locomoção: transporte público, transporte entre destinos (caso vá em mais de uma cidade ou país) ida e volta para a rodoviária, aeroporto, etc.; Alimentação: fazer uma média de gastos diários, de acordo com os preços do destino escolhido; 3- Gastos com turismo Pontos turísticos a serem visitados: museus, igrejas, etc; Pratos típicos; Experiências pagas: peças teatrais, mergulho, baladas, etc. Compras pessoais: aquele perfume, vinho ou peça de roupa que compensa comprar para levar para casa. 4- Outros Presentes: é importante estabelecer uma meta de quanto vai gastar com as lembrancinhas, para não acabar empolgando e comprando mais do que devia; Gastos paralelos: gorjeta, incentivo a artistas de rua, lockers, banheiro e outros gastos que parecem pequenos, mas dão um desfalque naquele orçamento apertado. 5- Imprevistos Perder um voo, ser furtado, ter que ficar 1 ou 2 dias a mais em outro país. Nunca se sabe o tipo de perrengue que pode te esperar na próxima viagem! Por isso, aqui eu costumo colocar 10% sobre o valor dos itens 2, 3 e 4.   Pronto! Você pode fazer uma planilha com os itens acima ou, assim como eu, escrever tudo à mão e levar um caderninho com você. Quando os gastos acima forem calculados,…

  • Financeiro,  Primeira Viagem

    Viajar custa caro?

    Olá, viajante. Você sabe se viajar custa caro? Bem antes de me aventurar por esse mundão afora eu já me questionava se conseguiria viajar por conta própria. Durante minha infância, só passava férias com a família em Guarapari, na roça ou em Caldas Novas. Tinha noção, no máximo, do preço do picolé que eu comprava na Praia do Morro (com o dinheirinho que vovó me dava por acertar a tabuada na hora do café da manhã), ou daquele tererê super descolado com conchinhas na ponta – que eu fazia questão de usar até arrebentar. Lembro que uma época cismei de juntar o dinheiro do lanche da escola. Achava que, com ele, conseguiria o suficiente para viajar para a Disney com minha prima. Esse plano não durou muito tempo, obviamente. Depois de perceber quão pouco aqueles 2 reais significavam, fiquei muito desanimada. Comecei a achar que só visitaria outro país depois de adulta, com família constituída, casa própria e carreira estável. Bom, hoje tenho a idade que, quando criança, imaginava que conquistaria todas as outras coisas que citei aí atrás. Por enquanto eu tenho algumas viagens na conta, mas tô longe de alcançar o resto.   Nem tanto ao céu, nem tanto à terra Passado algum tempo, minhas concepções mudaram e viajei um bocado de vezes sem o famigerado paitrocínio. Conversando com amigos sobre o assunto, notei algo interessante. Existem pessoas, de todas as idades, com ideias semelhantes às que tive quando criança: A primeira, que viajar é muito fácil – só demanda coragem para sair por aí, explorando canto a canto do planeta; A outra, que para viajar é preciso fazer um consórcio, vender um carro, ou focar toda a renda para comprar aquele pacote de agência de viagens. Primeiramente, é importante frisar que cada pessoa tem uma realidade financeira, mas os pensamentos acima não são, de todo, verdade. Não posso garantir que é possível que você viaje uma vez por semestre. Também não posso afirmar que é impossível juntar dinheiro suficiente para rodar o mundo com apenas um ano de trabalho. No entanto, há diversas maneiras de deixar uma viagem mais acessível, de acordo com suas condições. Para isso, é necessário aprender a fazer as escolhas certas, planejar de forma eficaz e entender até onde você pode ir com seu dinheiro (literalmente). Como resultado, sua viagem deixa de ser um sonho e se torna um objetivo.   Mas e aí, custa…